Instituto da Coluna

Dor Facetária

O que é 

Pequenas articulações, chamadas facetas, localizadas na parte de trás da coluna vertebral. Sua função principal é proporcionar estabilidade rotacional.

 

Sintomas 

São sintomas dolorosos resultantes do desgaste das facetas. A dor facetária pode ser cervical ou lombar.

 

Tratamento 

 

1ª ETAPA

– Reabilitação corporal postural

2ª ETAPA

– Bloqueio químico:

> Bloqueio químico (injeção de medicamentos em estruturas das vértebras e/ou em nervos para o alívio da dor).

 

> Bloqueio por radiofrequência (o tratamento utiliza corrente elétrica em alta frequência por meio de um eletrodo – agulha – para impedir que os nervos responsáveis pelo estímulo da dor no paciente continuem agindo).

Escoliose

O que é

Trata-se de um desvio da curvatura da coluna vertebral. Há vários tipos como a idiopática, congênita, neuromuscular, degenerativa e secundária.

 

Sintomas

Podem ser vários em cada indivíduo, mas entre os principais estão a inclinação do corpo inteiro para um lado e as costelas e ombros com alturas diferentes.

 

Tratamento

 

1ª ETAPA

– Reabilitação corporal postural

– Uso de colete corretivo

 

Os casos com indicação cirúrgica podem ser tratados da seguinte forma:

4ª ETAPA

– Tratamento cirúrgico com correção da deformidade

Lombalgia​

O que é

É a dor que ocorre na região lombar e que se irradia para uma ou ambas as nádegas e/ou para as pernas na distribuição do nervo ciático. 

 

Sintomas

Pode ser aguda (duração menor que 3 meses), subaguda ou crônica (duração maior que 3 meses). O médico tem papel fundamental no diagnóstico e necessita sobretudo de uma história detalhada da dor, fatores associados e um exame físico meticuloso para um correto diagnóstico. 

 

Tratamento

1ª ETAPA

– O tratamento inicia com a realização do plano individualizado de reabilitação.

2ª ETAPA

– Bloqueio químico:

 

> Bloqueio químico (injeção de medicamentos em estruturas das vértebras e/ou em nervos para o alívio da dor).

 

> Bloqueio por radiofrequência (o tratamento utiliza corrente elétrica em alta frequência por meio de um eletrodo – agulha – para impedir que os nervos responsáveis pelo estímulo da dor no paciente continuem agindo).

Os casos com indicação cirúrgica podem ser tratados da seguinte forma:

3ª ETAPA

– Cirurgia minimamente invasiva

4ª ETAPA

– Cirurgia convencional

Sacroileíte

O que é
Inflamação das articulações sacro ilíacas que conectam a parte inferior da coluna com a pélvis.

 

Sintomas
Causa dor e desconforto em movimentos da coluna. Entre as causas comuns estão trauma, artrite degenerativa, processos infecciosos, reumáticas (espondilite anquilosante) e sobrecargas. 

 

Tratamento

 

 

1ª ETAPA

– O tratamento inicia com a realização do plano individualizado de reabilitação.

2ª ETAPA

– Bloqueio químico:

 

> Bloqueio químico (injeção de medicamentos em estruturas das vértebras e/ou em nervos para o alívio da dor).

 

> Bloqueio por radiofrequência (O tratamento utiliza corrente elétrica em alta frequência por meio de um eletrodo – agulha – para impedir que os nervos responsáveis pelo estímulo da dor no paciente continuem agindo).

Espondilolistese

O que é

É o escorregamento de uma vértebra sobre a outra que pode ocorrer em decorrência de causas congênitas, por falha óssea no “pars articulares” ou devido a doença degenerativa da coluna.

 

Sintomas

Dor lombar associada ou não a dor irradiada para os membros inferiores.

 

 Tratamento

1ª ETAPA

– O tratamento inicia com a realização do plano individualizado de reabilitação.

2ª ETAPA

– Bloqueio químico:

 

> Bloqueio químico (injeção de medicamentos em estruturas das vértebras e/ou em nervos para o alívio da dor.

 

> Bloqueio por radiofrequência (O tratamento utiliza corrente elétrica em alta frequência por meio de um eletrodo – agulha – para impedir que os nervos responsáveis pelo estímulo da dor no paciente continuem agindo).

Os casos com indicação cirúrgica podem ser tratados da seguinte forma:

3ª ETAPA

– Cirurgia minimamente invasiva

4ª ETAPA

– Cirurgia convencional

Estenose de Canal Lombar

O que é

Trata-se do estreitamento do canal vertebral na região lombar. 

 

Sintomas 

Causa dor, choques e formigamento em suas pernas, mas também pode causar dor nas costas, perda de sensibilidade nas pernas e às vezes problemas com a bexiga (dificuldade de urinar/perda de urina) ou função intestinal (constipação). 

 

Tratamento 

 

1ª ETAPA

– O tratamento inicia com a realização do plano individualizado de reabilitação.

2ª ETAPA

– Bloqueio químico:

 

> Bloqueio químico (injeção de medicamentos em estruturas das vértebras e/ou em nervos para o alívio da dor.

 

> Bloqueio por radiofrequência (O tratamento utiliza corrente elétrica em alta frequência por meio de um eletrodo – agulha – para impedir que os nervos responsáveis pelo estímulo da dor no paciente continuem agindo).

Os casos com indicação cirúrgica podem ser tratados da seguinte forma:

3ª ETAPA

– Cirurgia minimamente invasiva

4ª ETAPA

– Cirurgia convencional

Fraturas Por Osteoporose

O que é

Osteoporose é uma condição metabólica que se caracteriza pela diminuição progressiva da densidade óssea e aumento do risco de fraturas.

 

Sintomas

As lesões mais comuns são as fraturas das vértebras por compressão, que levam a problemas de coluna e à diminuição da estatura e as fraturas do colo do fêmur, punho (osso rádio) e costelas. Nas fases em que se manifesta, a dor está diretamente associada ao local em que ocorreu a fratura ou o desgaste ósseo.

 

Tratamento

1ª ETAPA

– O tratamento inicia com a realização do plano individualizado de reabilitação.

Os casos com indicação cirúrgica podem ser tratados da seguinte forma:

3ª ETAPA

– Cirurgia minimamente invasiva (Cifoplastia)

4ª ETAPA

– Cirurgia convencional

Hérnias de Disco

O que é

É o deslocamento do disco para dentro do canal vertebral, podendo comprimir os elementos neurais e causar dor local e/ou irradiada para o membro superior (quando hérnia cervical) ou irradiada para o membro inferior (quando hérnia lombar). A dor é referida no trajeto da raiz que está sendo acometida pela hérnia. 

 

Sintomas

A doença pode ser assintomática ou, então, provocar dor de intensidade leve, moderada ou tão forte que chega a ser incapacitante. Os sintomas são diversos e estão associados à área em que foi comprimida a raiz nervosa.

 

Tratamento

 

1ª ETAPA

– O tratamento inicia com a realização do plano individualizado de reabilitação.

2ª ETAPA

– Bloqueio químico:

 

> Bloqueio químico (injeção de medicamentos em estruturas das vértebras e/ou em nervos para o alívio da dor.

 

> Bloqueio por radiofrequência (O tratamento utiliza corrente elétrica em alta frequência por meio de um eletrodo – agulha – para impedir que os nervos responsáveis pelo estímulo da dor no paciente continuem agindo).

Os casos com indicação cirúrgica podem ser tratados da seguinte forma:

3ª ETAPA

– Cirurgia minimamente invasiva

4ª ETAPA

– Cirurgia convencional

Mielopatia Cervical

O que é

Trata-se da lesão da medula espinhal. Pode ser em decorrência da compressão da medula na altura do pescoço, em consequência da “espondilose” ou artrose cervical intervertebral que diminuem o espaço que a medula ocupa no canal vertebral.

 

Sintomas

Pode se manifestar com dores no pescoço, fraqueza, rigidez (especialmente nas pernas) perda de equilíbrio e incontinência urinária.

 

Tratamento

– Uso de anti-inflamatório, terapia e modificações no estilo de vida

– Indicações:

      -Doença leve sem comprometimento funcional é um determinante muito                    importante  para não realizar cirurgia
      – Pacientes que não são candidatos à cirurgia
      – Modalidades de tratamento não cirúrgico:
              • Medicamentos
              • Imobilização (colar duro em leve flexão)
              • Programa de reabilitação fisioterápico para fortalecimento do pescoço,                           equilíbrio corporal e treinamento da marcha.
      – Casos com deficit neurológico motor progressivo são tratados cirurgicamente.