Instituto da Coluna – Jundiaí e Região

Home >
Entenda a relação entre diabetes e dores nas costas e coluna cervical

Você sabia que quem tem diabetes tem maior risco de ter dor nas costas e na coluna cervical?

Dor lombar e na coluna cervical são distúrbios musculoesqueléticos comumente relatados. Aproximadamente 80% dos adultos sentirão dor lombar e 47% sentirão dor no pescoço, em algum momento de suas vidas. Da mesma forma, o diabetes mellitus é uma condição crônica cada vez mais prevalente, com cerca de 382 milhões de pessoas vivendo com essa doença metabólica em todo o mundo.

 

Dados anteriores sugerem que pessoas com diabetes têm maior probabilidade de apresentar dor somática crônica, incluindo neuropatia periférica diabética dolorosa. Por exemplo, um estudo de coorte recente com mais de 39.000 participantes descobriu que pessoas com diabetes têm um risco significativamente maior de desenvolver dores musculoesqueléticas, incluindo dores nas costas e pescoço. O fardo de ter diabetes e dor musculoesquelética, que resulta em níveis mais altos de dor, incapacidade e sofrimento psicológico, é substancialmente maior do que ter apenas uma das condições.

 

No entanto, a ligação entre a dor musculoesquelética e o diabetes permanece obscura. Pesquisas anteriores sugerem que ter diabetes pode predispor os pacientes a desenvolver doenças do disco lombar como resultado de microangiopatia dos discos lombares secundária relacionada ao diabetes. Esses resultados não foram confirmados em estudos humanos.

 

Diabetes e dor nas costas também compartilham fatores de risco comuns, como obesidade, inatividade física; ou fatores predisponentes, como inflamação sistêmica de baixo grau. Pessoas com índice de massa corporal mais alto (> 35) em uma idade mais jovem (ou seja, 18 anos) têm nove vezes mais probabilidade de desenvolver diabetes durante a vida. Da mesma forma, a obesidade é um preditor independente de dor lombar intensa na população em geral. Pessoas com diabetes também são menos propensas a participar de atividades físicas regulares e, portanto, apresentam maior risco de desenvolver doenças musculoesqueléticas crônicas, como dores nas costas e pescoço.

 

Embora, em teoria, haja fortes ligações entre as duas condições, a natureza e a magnitude da associação entre dor na coluna e diabetes ainda não são claras.

 

Assim, os pacientes devem perder peso, ter atividade física rotineira, tratar o diabetes, melhorar a postura para poderem ter uma melhor qualidade de vida.

Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp
Iniciar conversa
1
Agende sua consulta!
Olá, visitei o site Instituto da Coluna e gostaria de mais informações.